Interessante refletir há quanto tempo falamos sobre flexibilidade, resiliência, mudanças rápidas e constantes, que a complexidade cresce a cada dia, nas novas competências necessárias hoje, tudo porque a cada dia tudo é diferente! Mas parece que não entendemos ainda tudo isto dentro de um único conceito. Então no blog anterior trouxe o conceito do VUCA, lá do final dos anos 80 criado pelo United States War College, que colocou todo aquele emaranhado em um enunciado único: Volatilidade, Incerteza, Complexidade, Ambiguidade. (VUCA em inglês).

Peter Drucker colocou muito bem há vinte anos, que “O grande perigo nos tempos turbulentos de hoje, não é a turbulência, mas sim agir com a lógica de ontem.”

O mundo de hoje não é mais o mundo de ontem, assim como liderar hoje não pode mais ser da mesma forma que ontem. Os métodos de gestão tradicionais não são mais suficientes para a gestão de hoje.

Então Bob Johansen do Institute for the future propôs o VUCA que resolve o VUCA, o VUCA Prime.

A proposta é lidar com o mundo VUCA através de quatro competências: Visão (Vision), Entendimento (Understanding), Clareza (Clarity) e Agilidade (Agility) que substituem respectivamente, Volatilidade, Incerteza, Complexidade e Ambiguidade.

 

Substituir Volatilidade por Visão, significa saber aonde a empresa quer chegar. A visão deve ser consistente, clara, transparente e assim comunicada a todos na empresa para que haja o comprometimento geral com o propósito da organização. Todos na empresa sabem o que ela faz e como faz e onde ela espera chegar. Isto sempre está escrito nos planejamentos estratégicos. Mas qual é a razão dela existir nem sempre esta clara. Este é o propósito.  Tendo isto claro é possível transformar os desafios em oportunidades e que hoje precisam ser vencidos de maneira rápida, com agilidade.

 

Entendimento para substituir Complexidade. Hoje a transformação digital, a TD, é uma realidade. Então, automação de máquinas, a automação dos processos, a inteligência artificial, a tecnologia da informação são coisas do dia a dia das organizações. Mas a TD passa por uma mudança cultural, mudança de comportamento das pessoas e isto não é só virar a chavinha. É preciso o entendimento, para gerar uma inteligência coletiva, com práticas de interação e comunicação ativa. Se não soubermos trabalhar em “rede”, isto é, cada indivíduo é o nó de uma rede que precisa se mover conectada e rapidamente, deixamos opiniões isoladas soltas como forças que puxam uma para cada lado. Informação, o entendimento do pensamento de cada um, transformado em coletivo é o que pode transformar as incertezas em ações de superação dos desafios.

Edgar Morin (pseudônimo de Edgar Nahoum) filósofo francês tem uma colocação muito interessante: “Quando o inesperado acontece, é preciso ser capaz de rever teorias e ideias, em vez de permitir o fato novo entrar à força na teoria incapaz de recebê-lo.”

 

Substituir complexidade por Clareza. É preciso enxergar através do nevoeiro. Hoje a complexidade que já é grande, recebe novos inputs a cada dia. Enxergar através do nevoeiro é não só ter disponibilidade de informações, mas também imaginar eventos que podem impactar o negócio, ainda que pareçam ideias absurdas. Afinal, há três anos quem pensaria na Covid ou em uma guerra na Europa? Tudo o que você puder enxergar ou imaginar, deve fazer parte das suas estratégias de forma focada e transparente. Na verdade, a empresa precisa ter várias estratégias sintonizadas a cada mudança de direção

com planos de ação já previstos, estudados e disseminados por todos da organização, para possibilitar decisões claras e rápidas quando mudarem os ventos.

 

A Ambiguidade substituída pela Agilidade. As decisões atualmente se tornam mais difíceis uma vez que as respostas não são precisas. Tudo pode ter mais de um sentido e depende como se olha o contexto. Aceitar erros é a grande possibilidade de agir rapidamente, porque as decisões serão tomadas em função daquilo que fizer mais sentido naquele momento e não mais no exato. A empresa precisa agilidade para decidir e para se adaptar. A adaptação significa, entendimento, flexibilidade e resiliência. Para isto o modelo de gestão comando e controle, hierarquizado, precisa ser substituído por um modelo ágil, maior flexibilização das relações, equipes multidisciplinares, as squads, e de forma que a empresa entregue continuamente valor para os clientes independente do contexto do momento.

 

Ter a Visão clara é o ponto de partida. Daí para frente, observar, questionar, experimentar e decidir, vão complementar com a visão as competências do VUCA Prime, que eu disse antes que era o VUCA que resolve o VUCA.

 

Até o próximo, pessoal!